O Conselho Federal de Medicina regulamentou as indicações e os tipos de procedimentos cirúrgicos que podem ser utilizados no Brasil para tratar os pacientes com obesidade mórbida (Resolução CFM no 1766/05 de 13 de maio de 2005).

  1. IMC > 40 independente da presença de comorbidades.
  2. IMC entre 35 e 40 na presença de comorbidade confirmada.
  3. IMC entre 30 e 35 na presença de comorbidade(s) que tenha(m) obrigatoriamente a classificação “grave” por um medico especialista na respectiva área da doença.

Comorbidades relacionadas a obesidade que podem ser melhoradas ou solucionadas com a cirurgia bariátrica:

  • Diabetes tipo II
  • Hipertensão arterial e outras cardipatias
  • Osteoartrite das articulações que suportam o peso
  • Apneia do Sono / problemas respiratórios
  • Refluxo gastroesofágico / azia
  • Depressão
  • Infertilidade / irregularidade menstrual
  • Edema nas pernas / úlceras na pele
  • Incontinência urinária
  • Estase venosa nos membros
  • Dislipidemia

Há dois mecanismos básicos de cirurgia de obesidade:

Procedimentos restritivos que reduzem a ingestão do alimento através da criação de uma pequena bolsa gástrica

Procedimentos disabsortivos que limitam moderadamente a absorção de calorias e nutrientes

Existem 4 tipos de operações bariátricas (das quais também é possível se realizar uma combinação de técnicas)

Cirurgia restritiva: Banda gástrica  e Gastrectomia vertical ( Sleeve – Considerada cirurgia metabólica/ hormonal)

Cirurgia disabsortiva: Scopinaro

Cirurgia Restrictiva + disabsortiva: Bypass gástrico, Duodenal Switch

Cirurgia Revisional: Banda gástrica  para bypass, Sleeve para Bypass, Scopinaro para Bypass